Envíanos un email a discernir@discernir.info Síguenos en Facebook Suscríbete a nuestro canal de YouTube Síguenos en Twitter Arriba
"Y enseñarán a mi pueblo a hacer diferencia entre lo santo y lo profano, y les enseñarán a discernir entre lo limpio y lo no limpio. "(Ez. 44:23)
Artículos
Dando Nomes aos BoisLeer artículo en españolLer em Português
Las Cosas por Su Nombre

Em um debate prévio às eleições presidenciais na Espanha, Pedro Sanchez, o candidato do PSOE (Partido Socialista Obreiro [dos Trabalhadores] Espanhol, da suposta centro-esquerda), disse para o presidente de então, e também candidato, Mariano Rajoy, do PP (Partido Popular, da suposta centro-direita)*, que, para ser presidente do país, é preciso ser decente, e que Rajoy não o é.

Aconteceu uma explosão impressionante em todos os âmbitos. Logicamente, houve um grande vitimismo entre os colegas de Rajoy no PP.

* Ambos os partidos são o típico "bipartidarismo" (tese - antítese), imposto aos países democráticos pela Nova Ordem Mundial. Ex.: Republicanos e Democratas, dos Estados Unidos.

Pondo de lado as preferências políticas, já que esta reflexão não tem nada a ver com isso, consideremos os fatos sob a luz da Bíblia, que é do que se trata.

Antes, alguns antecedentes para aqueles leitores que não moram na Espanha e que não estão familiarizados com o fundo do que Sánchez disse para Rajoy. Segundo evidências que todo o pais conhece:

  1. O PP saqueou a Espanha durante os últimos 30 anos.
  2. Criou uma fraude imobiliária, mediante a qual enriqueceu os seus amos, os banqueiros, os empresários do tempo do ditador Franco e si mesmos, afundando o país na miséria.
  3. Levou o país a se endividar, escravizando-o sob a tirania do cartel de banqueiros internacionais.
  4. Financiou-se ilegalmente.
  5. Sonegou impostos.
  6. Desperdiçou o dinheiro público de forma ostentosa e sem pudores.
  7. Privatizou os setores mais importantes da vida do país, enriquecendo ainda mais os seus amigos "empresários", alguns dos quais estão na cadeia ou a caminho da mesma.
  8. Os bancos cometeram fraude contra os anciãos aposentados, roubando as suas poupanças da vida inteira por meio de uma mentira chamada "preferenciais". Não o teriam podido fazer se os maiores expoentes do PP não estivessem na liderança do sistema bancário.
  9. Universitários espanhóis vão-se embora do país ou mendigam nas ruas e trabalhadores vasculham as latas de lixo, porque o PP transformou os empregos em escravidão no trabalho.
  10. Os aposentados estão passando fome porque, enquanto o PP permitiu aumentos absurdos no preço da eletricidade, a aposentadoria aumentou a arrepiante porcentagem de 0,25% ao ano. Com pensões ínfimas, os avós estão mantendo os seus filhos e netos.

Assim, poderia continuar e escrever uma enciclopédia. Porém, acho que, para o leitor de fora da Espanha, fica claro que dizer que Mariano Rajoy não é decente é ser suave e comedido demais.

Mariano Rajoy, pessoalmente, esteve apoiando um delinquente na cadeia, mentiu no próprio Congresso dos Deputados e fez muitas coisas mais que seriam motivo para uma expulsão fulminante do cargo de presidente do governo do país, com passaporte direto para a cadeia.

Por quê, pois, as pessoas se ofenderam tanto quando Sánchez disse na cara de Rajoy que não era decente.

Por algum motivo isso se chama a "nova tolerância".

Na base da "nova tolerância", não se tolera o "politicamente incorreto" e dizer a verdade é "politicamente incorreto".

Hoje-em-dia, você não pode dar nomes aos bois, ou a ira da sociedade cairá sobre você.

Você não pode dizer que uma pessoa é ADÚTERA, mas sim que tem uma "amiga". Uma pessoa também não é um LADRÃO porque roubou alguma coisa, mas "apropriou-se indevidamente daquilo que não lhe pertencia".

As pessoas já não MENTEM, mas "faltam à verdade" e quando se ENGANA às pessoas, estão "dizendo algo que não é certo".

Poderia dar mais e mais exemplos, mas com certeza em todos os países do mundo este fenômeno (ENGANHO) se dá, já que é parte dessa doutrina da "nova tolerância"; essa "neo-língua" (LINGUAGEM ENGANHOSAS; MENTIROSA) que a Nova Ordem Mundial impôs debaixo do guarda-chuva da "Guerra Silenciosa".

Las personas ya no MIENTEN, sino que "faltan a la verdad" y cuando se ENGAÑA a la gente, se está "diciendo algo que no es cierto".

Tudo isso é usado para manipular e distorcer; confunde a nossa percepção dos fatos. É parte da manipulação das massas (mind control ou controle mental) à que os agentes da Nova Ordem Mundial nos submetem diariamente.

Com que fim o fazem?

O propósito é nos confundir e fazer que percamos o sentido real das palavras para que não possamos formular pensamentos e chegar a conclusões que, para eles, seriam perigosas.

Por isso usam termos como "desaceleração econômica" ou "crescimento negativo", quando se referem a ECONOMIA EM DESCENSO. Falam de "reconversão de um sector do trabalho", quando querem dizer DEMISSÕES MASSIVAS E DESTRUIÇÃO DE EMPREGOS.

Voltando ao exemplo da INDECÊNCIA de Rajoy, por que é tão ofensivo falar com palavras apropriadas? Por que, inclusive os que estão zangados com esse indivíduo, ofendem-se porque Sánchez dissesse que não era decente?

Porque quando Sánchez aludiu às ações de Rajoy e seus colegas de feitorias, tocou um assunto que afeta a todos, independentemente das suas convicções políticas: A EVIDÊNCIA DO PECADO.

Logicamente, Sánchez sabia o que fazia e seu partido também tem um fantasma indecente ou outro escondido no armário, mas sabia que tocaria algo que faria que toda a sociedade pulasse e o usou porque necessitava "fazer ruído" (PROVOCAR ESCÂNDALO), para atrair os votantes que outro partido de esquerdas estava lhe tirando.

Ficou claro que para a sociedade era mais grave e ofensivo dizer a verdade, que o fato de que Mariano Rajoy não é decente e que, portanto, não merece governar o país.

Esta sociedade é produto de um ensinamento muito importante da "Guerra Silenciosa" e que é que não assume a responsabilidade pelos seus atos e, portanto, não tolera (Nova Tolerância) que mostre para si seus próprios "erros" (PECADOS), etc.

Por isso todos se ofendem.

É importante para satanás que o ser humano rejeite veementemente ter que se enfrentar às suas responsabilidades pelas suas decisões pecaminosas, porque a Bíblia diz que:

"O que encobre as suas transgressões nunca prosperará; mas o que as confessa e deixa alcançará misericórdia." (Provérbios 28:13)

"Mas Deus, não tendo em conta os tempos da ignorância, anuncia agora a todos os homens, em todo lugar, que se arrependam." (Atos 17:30)

"Se confessarmos os nossos pecados, ele é fiel e justo para nos perdoar os pecados e nos purificar de toda injustiça." (1 João 1:9)

Deus não nos diz: "Escutem, se vocês acham que está bem, poderiam sentir-se mal com os erros que cometeram em vossas vidas" (como se os erros surgissem por geração espontânea), mas sim, MANDA-NOS que nos arrependamos.

Para nos arrependermos, temos que assumir a nossa responsabilidade pelos nossos atos, em vez de mascarar nossos pecados com palavras que distorcem o significado do que fizemos.

Depois, acontece o que aconteceu nas eleições espanholas: Mariano Rajoy, o indecente que não merece presidir a nação, ganhou outra vez a maioria de votos. Isso quer dizer que a maioria dos votantes passa por alto a gravidade do que esse homem e seu partido fizeram, e continua apoiando-lhe. Isso quer dizer que tão indecente é o que o fez, quanto o que o apoia, segundo Deus (Romanos 1:32).

Se não entendermos a gravidade de ADULTERAR, MENTIR, ROBAR e SER INDECENTE, então dificilmente nos arrependeremos. Aliás, ARREPENDER-SE é totalmente diferente de "sentir-se mal".

ARREPENDER-NOS é reconhecer que infringimos a Lei de Deus e PECAMOS contra Ele.

Por causa dessa consciência, decidimos abandonar o pecado e nos afastarmos dele, PEDINDO PERDÃO A DEUS, e a quem prejudicamos.

Não caiamos na armadilha de distorcer a nossa linguagem, como se fazendo-o pudéssemos apagar a nossa responsabilidade por nossos pecados, porque no momento em que nos apresentemos diante do Criador – E TODOS O FAREMOS -, chamar o PECADO que levou o Filho de Deus a uma morte na cruz de "falha", não nos livrará da condenação eterna.

As coisas são solucionadas identificando a raiz do problema e não tampando os sintomas. Os médico curam um tumor, identificando-o, localizando-o extirpando-o, não o ocultando e chamando-o de "protuberância atípica".

Meditemos sobre o que o Senhor Jesus nos disse: "Seja, porém, o vosso falar: Sim, sim; não, não, porque o que passa disso é de procedência maligna." (Mateus 5:37)

Recomende esta páginaLer a Política de Cookies e Privacidade


Quer receber uma cópia do e-mail? Sim Não

Ir a la Hemeroteca